Início Jogos Bíblicos Imprimir Jogos Testes Bíblicos Estudos Bíblicos Papel de Parede
Piadas Evangélicas Pintar Desenhos Bíblicos Videos Evangélicos
Contos Evangélicos Mensagens Evangélicas Poemas Evangélicos Versículos Bíblicos
Termos de Uso
Últimos Tempos / Notícias, Reportagens e Comentários

21.6.16

O Pecado e a Salvação Eterna

Qual a resposta para a seguinte questão: "Como a salvação pode ser eterna e incondicional"? Uma vez que, sendo assim, pareceria haver uma porta aberta para a prática do pecado na vida dos crentes, já que eles não sentiriam o mínimo temor de perder a salvação como conseqüência dos seus pecados.

A resposta para esta questão reside na sinceridade de intenção da pessoa que se converte. Quando alguém aceita Jesus Cristo como seu salvador pela fé nele, e é aceito por Deus como um novo cristão, esta pessoa está sendo sincera. Do contrário, Deus não acataria a sua confissão de fé, pois é impossível enganar a Deus fingindo que se pretende viver como seu filho sem ter esta intenção, com o único objetivo de obter suas boas graças e ir para o céu. Logo, quando alguém se torna cristão de verdade, tal conversão aceita por Deus é genuína, e é com base nesta sinceridade que Deus concede ao crente a adoção como filho e a inclusão nas promessas a se cumprirem nesta vida e na eternidade.

O fato de o cristão vir a pecar, mais tarde, independente do tipo de pecado cometido, não anula a aliança feita com Deus em total sinceridade de coração. Deus sabe que o crente pretendia viver uma vida sem pecado no momento da entrega de sua vida para Ele. Se houvesse a possibilidade de alguém vir a perder a salvação após haver se convertido sinceramente, o candidato a cristão teria de ser alertado sobre esta possibilidade. Ou seja, tal condição deveria fazer parte da pregação com vistas à conversão. Porém, aos incrédulos sempre é pregada a salvação eterna com as bênçãos futuras a serem acrescentadas na eternidade, sem a inclusão de uma cláusula estabelecendo que a aceitação do crente na família de Deus pode ser anulada por futuras ações desagradáveis a Ele.

Concluindo: o que nos faz dignos da salvação eterna e incondicional é a intenção sincera, manifestada ao menos uma vez na vida, de aceitar Jesus como nosso Senhor e viver de forma obediente aos seus mandamentos. A decisão sustentada por tal espírito jamais pode ser apagada da memória de Deus. Ela é uma prerrogativa dos que possuem o coração sincero e desejoso de viver de uma forma agradável ao Criador, mesmo estando aprisionados em uma carne pecaminosa e vivendo em um mundo onde o mal age e impera de forma irrestrita. É um atestado, com validade eterna, da própria essência daquele que a exprime. O incrédulo e indisposto a aceitar Jesus como seu Senhor e salvador jamais chega a atingir tal disposição. Porém, quem a manifestou uma vez, arrependido após viver uma vida de pecado, irá manifestá-la novamente se tornar a pecar.

Nenhum comentário: