Início Jogos Bíblicos Imprimir Jogos Testes Bíblicos Estudos Bíblicos Papel de Parede
Piadas Evangélicas Pintar Desenhos Bíblicos Videos Evangélicos
Contos Evangélicos Mensagens Evangélicas Poemas Evangélicos Versículos Bíblicos Termos de Uso
Últimos Tempos / Notícias, Reportagens e Comentários

14.8.16

Teste Bíblico - Anjos na Bíblia 1

Aperte o botão com a resposta correta:


1- Quem foi a primeira pessoa, na Bíblia, para quem apareceu o anjo do Senhor (assim caracterizado)?

Agar.
Sara.
Abraão.


2- Quantos anjos foram até a cidade de Sodoma, para destruí-la?

Um.
Dois.
Três.


3- Onde se encontrava o anjo do Senhor quando dirigiu-se a Abraão proibindo-o de sacrificar Isaque, seu filho?

Na água.
Na terra.
No céu.


4- De que maneira iam e vinham, entre a terra e o céu, os anjos de Deus que Jacó viu em seu sonho?

Por uma escada.
Por uma corda.
Em um redemoinho.


5- Onde apareceu o anjo do Senhor a Moisés?

Em uma chama de fogo.
Em uma nuvem.
Num altar de pedras.


6- O que fez o anjo do Senhor com a carne e os bolos ázimos que Gideão lhe apresentou?

Comeu-os.
Consumiu-os com fogo.
Recusou-os.


7- Deus enviou um anjo para fazer destruição em Israel, por Davi haver numerado o povo. Onde se encontrava o anjo, quando ia destruir Jerusalém?

No Monte das Oliveiras.
No palácio de Davi.
Na eira de Araúna, o jebuseu.


8- Quantos assírios foram mortos pelo anjo do Senhor, quando o exército de Senaqueribe ameaçava Israel, no reinado de Ezequias?

Setenta mil.
Cento e oitenta e cinco mil.
Trezentos mil.


9- O que farão os anjos com os maus, no fim do mundo?

Lançá-los-ão nas trevas exteriores.
Abatê-los-ão à espada..
Lançá-los-ão na fornalha de fogo.


10- A Bíblia diz que as crianças tem anjos?

Sim.
Não.
Somente algumas delas.

31.7.16

Palavras Cruzadas Evangélicas 175

Caça Palavras Bíblico 175

17.7.16

Como Ter a Certeza da Salvação

Muitos cristãos, e as vezes parece que é a maioria, não tem certeza completa a respeito de sua salvação. Ou, ainda que acreditem que foram salvos, duvidam que a salvação possa ser eterna. Como ter a certeza da salvação? Como saber que não se vai para o inferno?

No livro de Isaías, capítulo 38, versículos 18 e 19, no assim chamado "Cântico de Ezequias" podem-se ler as seguintes palavras: "A sepultura não te pode louvar, nem a morte glorificar-te; não esperam em tua fidelidade os que descem à cova. Os vivos, somente os vivos, esses te louvam como hoje eu o faço (...)".

Também no livro de Salmos, capítulo 88 e versículo 11, leem-se palavras semelhantes: "Será referida a tua bondade na sepultura? A tua fidelidade, nos abismos?".

E, ainda mais claramente, no Salmo 6, versículo 5: "Pois, na morte, não há recordação de ti; no sepulcro, quem te dará louvor?"

Tais palavras fazem pensar que o louvor a Deus é uma coisa totalmente ausente no reino dos mortos, também conhecido como "inferno", "hades" (grego), e "sheol" (hebraico). É o lugar para onde os mortos vão, para ficarem guardados até o dia em que todos os seres humanos comparecerão a presença de Deus para serem julgados e receberem a sentença sobre o seu destino eterno, conforme está escrito no livro de Apocalipse, capítulo 20, versículos 11 e 12: "Vi um grande trono branco e aquele que nele se assenta, de cuja presença fugiram a terra e o céu, e não se achou lugar para eles. Vi também os mortos, os grandes e os pequenos, postos em pé diante do trono. Então, se abriram livros. Ainda outro livro, o Livro da Vida, foi aberto. E os mortos foram julgados, segundo as suas obras, conforme o que se achava escrito nos livros".

Portanto, não se encontra no inferno ninguém que louve a Deus. É como um deserto espiritual. Em Mateus, capítulo 23, versículo 33, Jesus adverte os fariseus: "Serpentes, raça de víboras! Como escapareis da condenação do inferno?" Entretanto, sabemos que aqueles que seguem a Jesus Cristo não irão para o inferno, pois foram salvos deste destino, como se vê em Romanos 8:1-2: "Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus. Porque a lei do espírito da vida, em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte." Portanto, estão os cristãos livres de toda condenação. Um verdadeiro crente não pode ser lançado no inferno, pois nem mesmo aquele lugar conseguiria extinguir em seu espírito o sentimento de louvor e adoração a Deus, o qual distingue os discípulos salvos daqueles que não são nem uma coisa nem outra. Todo crente verdadeiro adora a Deus em seu coração, pois "Deus é espírito, e importa que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade" (Jo 4:24); e "Porque nós é que somos a circuncisão, nós que adoramos a Deus no espírito, e nos gloriamos em Cristo Jesus, e não confiamos na carne" (Fp 3:3).

Não vão para o inferno, portanto, os discípulos, os verdadeiros cristãos. E ainda, no inferno não se encontra louvor a Deus. Juntando, portanto, estas duas premissas, podemos construir um silogismo clássico, na seguinte forma:

Premissa maior: No inferno não existe nada que se possa chamar de louvor a Deus;
Premissa menor: Um crente verdadeiro louva a Deus em seu espírito;
Conclusão: Se você louva a Deus em seu espírito, é um crente verdadeiro e não pode ir para o inferno, ou seja, não ter salvação.

Logo, o que devemos fazer para ter certeza de nossa salvação é examinar a nós mesmos e, simplesmente, constatar se adoramos a Deus em espírito e em verdade, e que o louvor de Deus habita em nosso coração. Conforme está escrito em Romanos 8:1 "Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus. Porque a lei do Espírito da vida em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte". E o que traz como consequência, para nós, a lei do Espírito da vida em Cristo Jesus? Louvor! No evangelho de Lucas, capítulo 1, versículo 15, anunciando o nascimento de João Batista, o anjo que apareceu a Zacarias, disse-lhe, entre outras coisas: "Pois ele será grande diante do Senhor, não beberá vinho nem bebida forte, será cheio do Espírito Santo, já do ventre materno". Por este motivo Jesus afirmou a respeito de João: "Em verdade vos digo: entre os nascidos de mulher, ninguém apareceu maior do que João Batista" (Mt 11:11a). Também disse o anjo a Zacarias: "Em ti haverá prazer e alegria, e muitos se regozijarão com o seu nascimento" (Lc 1:14). O homem que tem o espírito de Deus em si traz prazer, alegria e regozijo aos que são receptivos ao evangelho. Mais adiante, no capítulo 2 do mesmo livro, lemos que Maria foi visitar a mãe de João e, "ao ouvir a saudação de Maria, a criança lhe estremeceu no ventre; então Isabel ficou cheia do Espírito Santo. E exclamou em alta voz: Bendita és tu entre as mulheres, e bendito o fruto do teu ventre. E de onde me provém que me venha visitar a mãe do meu Senhor? Pois, logo que me chegou aos ouvidos a voz da tua salvação, a criança estremeceu de alegria dentro em mim" (Lc 1:41-44). O fruto do Espírito é louvor. Só os crentes salvos ou destinados à salvação louvam/adoram a Deus em Espírito e em verdade. Para estes, já nenhuma condenação há.

Que pai neste mundo existe indisposto a livrar de qualquer condenação o filho cometedor de inúmeros e grandes erros, o qual ele reconhece que o ama e aprecia verdadeiramente? Quanto mais o nosso pai celestial não estará disposto a nos perdoar e resgatar da consequência de nossos pecados e transgressões, a nós que o adoramos e louvamos pelo que ele é e por suas grandes obras. Eis o motivo de Deus haver considerado Davi um homem segundo o seu coração (1Sm 13:14). O nome de Davi está para sempre associado ao louvor e adoração emanados dos Salmos, escritos, na maior parte, por sua própria mão. Nenhum homem de Deus cometeu maiores erros do que ele, sendo ao mesmo tempo tão honrado e preservado por Deus. Isto se deve a que, mesmo havendo cometido as maiores transgressões, o coração de Davi se alteava sempre em direção a Deus para desvelá-lo e exaltar-lhe as qualidades. Davi possuía, sem dúvida, um coração de adorador. Tal homem é buscado por Deus, e é por causa destes que ele enviou seu filho ao mundo, para resgatá-los da condenação eterna, salvando-os do inferno e do lago de fogo.

Louvai ao Senhor! Louvai a Deus no seu santuário; louvai-o no firmamento do seu poder! (Sl 150:1)

5.7.16

O Bramido do Mar e das Ondas


De acordo com o site Answers.com, noventa por cento do comércio mundial é transportado pelos oceanos e se compõe de mercadorias como petróleo, carvão e grãos, automóveis e outras comodidades. No dia 5 de Março de 2010 a CNN foi um dos informativos on-line que divulgou a notícia de que um navio de  cruzeiro, o Louis Cruise Line fora atingido por duas ondas gigantes de 26 pés, próximo à costa da Espanha, ocasionando a morte de duas pessoas e causando ferimentos em outras catorze. Noventa por cento é praticamente a totalidade do comércio mundial, restando muito pouco para ser transportado por outros meios, como aviões, trens, caminhões... O que aconteceria se, de repente, o mar deixasse de ser um lugar seguro para o transporte de mercadorias entre as nações?

Estas duas ondas que se abateram sobre o navio de cruzeiro próximo a Espanha surgiram praticamente do nada, levantando-se das águas aparentemente tranquilas como dois gigantes mal-intencionados semeando o pânico entre os passageiros, que até aquele momento se dedicavam a desfrutar das amenidades de uma viagem em navio de luxo. Terremotos de grau elevado na escala de periculosidade estão acontecendo quase diariamente, e após os terremotos vem as especulações sobre a possibilidade de tsunamis devastadores, como aconteceu a pouco tempo, depois do grande terremoto no Chile, no dia 27 de fevereiro de 2010.

Todos estes acontecimentos nos trazem a mente as palavras de Jesus, no capítulo 21 do Evangelho de Lucas, versículo 25, "Haverá...angústia entre as nações em perplexidade por causa do bramido do mar e das ondas." Parece que o mar ocupa um lugar central nas profecias a respeito dos últimos tempos que antecedem a volta de Jesus à Terra. Onde se encontra a Grande Babilônia do capítulo 17 de Apocalipse? Logo no primeiro versículo lemos que ela se acha "sentada sobre muitas águas" e está "vestida de púrpura e de escarlata, adornada de ouro, de pedras preciosas e de pérolas..." (vers.4) Esta é uma descrição objetiva do comércio mundial e das riquezas movimentadas por ele, dos prazeres propiciados a uns poucos que conseguiram se colocar à testa do controle da economia atual, e dela podem se beneficiar.

O apóstolo João, quando viu a mulher, admirou-se com grande espanto, mas o anjo lhe disse, como se o estivesse repreendendo, "Porque te admiraste?" como se quisesse comunicar-lhe que nós, cristãos, não devemos nos impressionar com o brilho da riqueza passageira deste mundo, que é consumida pelas traças, pela ferrugem e pelos ladrões, ao contrário das riquezas guardadas e acumuladas no banco celestial rendendo um juro de vida eterna. Mais adiante é dito que as águas onde a meretriz está assentada são povos, multidões, nações e línguas... Isto significa que todas as nações, todas as pessoas no mundo dependem do comércio mundial, efetuado na sua totalidade, praticamente, por via marítima.

Como se chegou á este ponto, à esta dependência extrema do bem-estar das pessoas relativamente ao comércio internacional? Tal fato é uma consequência, no longo prazo, de os homens que dirigem as nações serem influenciados por ideias de pensadores econômicos, tais como Adam Smith e David Ricardo, os chamados "pais da ciência econômica clássica". Estes desenvolveram habilmente o argumento de que ainda que uma nação conseguisse produzir todas as coisas necessárias para o consumo de seu povo, ela seria mais próspera se dedicasse a si mesma a produzir apenas aquelas coisas para as quais tivesse uma vantagem natural, desde que todas as outras nações fizessem o mesmo e praticassem o comércio com os excedentes de produção. E foi desta forma que o mundo se tornou cada vez mais dependente do comércio internacional, havendo países produtores de apenas uns poucos produtos, tais como o petróleo, os quais preenchem todas as suas necessidades com a venda da parte que não consomem de seu produto principal. Sendo assim, quão grande o caos seria para o bem-estar mundial se o comércio global fosse interrompido por condições adversas nos oceanos da terra! As nações não mais teriam como adquirir grande parte daquilo que necessitassem, nem teriam condições de produzi-lo imediatamente.

Atualmente, o mar, além de ser o lugar onde circulam as mercadorias alimentando o consumo mundial, também se tornou, para os que tem condições financeiras, uma espécie de "paraíso" para onde se pode fugir deste mundo tão conturbado pela violência gerada pela disparidade de condições econômicas e sociais. Navios de luxo, transformados em verdadeiros jardins do Éden flutuantes, oferecem todos os prazeres e amenidades imagináveis para os que podem pagar caro, longe das costas deste mundo atribulado. Há cruzeiros para todos os gostos, mesmo os não convencionais, e até mesmo alguns líderes do povo cristão se dedicam a organizar "cruzeiros gospel" em alto mar, com celebridades cristãs a bordo, em viagens para Israel e outros lugares. Porém, Deus advertiu para que os cristãos se mantivessem afastados deste sistema de coisas, explicitamente, nos versículos 4 e 5 do capítulo 8, no Livro de Apocalipse: "Retirai-vos dela, povo  meu, para não serdes cúmplices em seus pecados e não participardes em seus flagelos, porque os seus pecados se acumularam até ao céu, e Deus se lembrou dos atos iníquos que ela praticou."

"Ai! Ai da grande cidade,que estava vestida de linho finíssimo, de púrpura e de escarlata, adornada de ouro, e de pedras preciosas, e de pérolas, porque, em uma só hora, ficou devastada tamanha riqueza! E todo piloto, e todo aquele que navega livremente, e marinheiros, e quantos labutam no mar conservaram-se de longe. Então, vendo a fumaceira do seu incêndio, gritavam: Que cidade se compara a grande cidade? Lançaram pó sobre a cabeça e, chorando e pranteando, gritavam: Ai! Ai da grande cidade, na qual se enriqueceram todos os que possuíam navios no mar, á custa da sua opulência, porque, em uma só hora, foi devastada!" (Ap 18:16-19)

21.6.16

O Pecado e a Salvação Eterna

Qual a resposta para a seguinte questão: "Como a salvação pode ser eterna e incondicional?" Uma vez que, sendo assim, pareceria haver uma porta aberta para a prática do pecado na vida dos crentes, já que eles não sentiriam o mínimo temor de perder a salvação como conseqüência dos seus pecados.

A resposta reside na sinceridade da intenção da pessoa que se converte. Quando alguém aceita Jesus Cristo como seu salvador pela fé nele e é aceito por Deus como um novo cristão, esta pessoa está sendo sincera. Do contrário Deus não acataria a sua confissão de fé, pois é impossível enganar a Deus fingindo que se pretende viver como seu filho sem ter esta intenção, com o único objetivo de obter suas boas graças e ir para o céu. Logo, quando alguém se torna cristão de verdade tal conversão aceita por Deus é genuína, e é com base nesta sinceridade que Deus concede ao crente a adoção como filho e a inclusão nas promessas a se cumprirem nesta vida e na eternidade.

O fato de o cristão vir a pecar mais tarde, independente do tipo de pecado cometido, não anula a aliança feita com Deus em total sinceridade de coração. Deus sabe que o crente pretendia viver uma vida sem pecado no momento da entrega de sua vida para Ele. Se houvesse a possibilidade de alguém vir a perder a salvação, após haver se convertido sinceramente, o candidato a cristão teria de ser alertado sobre esta possibilidade. Ou seja, tal condição deveria fazer parte da pregação com vistas à conversão. Porém, aos incrédulos sempre é pregada a salvação eterna com as bênçãos futuras a serem acrescentadas na eternidade, sem a inclusão de uma cláusula estabelecendo que a aceitação do crente na família de Deus pode ser anulada por futuras ações desagradáveis a Ele.

Concluindo: o que nos faz dignos da salvação eterna e incondicional é a intenção sincera, manifestada ao menos uma vez na vida, de aceitar Jesus como nosso Senhor e viver de forma obediente aos seus mandamentos. A decisão sustentada por tal espírito jamais pode ser apagada da memória de Deus. Ela é uma prerrogativa dos que possuem o coração sincero e desejoso de viver de uma forma agradável ao Criador, mesmo estando aprisionados em uma carne pecaminosa e vivendo em um mundo onde o mal age e impera de forma irrestrita. É um atestado, com validade eterna, da própria essência daquele que a exprime. O incrédulo e indisposto a aceitar Jesus como seu Senhor e salvador jamais chega a atingir tal disposição. Mas quem a manifestou uma vez, arrependido após viver uma vida de pecado, irá manifestá-la novamente se tornar a pecar.

12.6.16

Teste Bíblico - Saul, o Primeiro Rei de Israel 2

Aperte o botão com a resposta correta:


1- O que fez Saul, logo no início de seu reinado, que desagradou a Deus, sendo repreendido pelo profeta Samuel?

Ofereceu um holocausto ao Senhor.
Consultou uma profetiza.
Fez seu filho passar pelo fogo em homenagem a Baal.


2- Quais profissionais não se encontravam em Israel no início do reinado de Saul?

Tecelões.
Ferreiros.
Carpinteiros.


3- Em sua primeira batalha contra os filisteus qual foi a proibição que Saul fez aos israelitas?

Comerem pão antes do entardecer.
Beberem vinho até que a batalha estivesse terminada.
Absterem-se de mulheres até que todos os filisteus que estavam em Israel fossem mortos.


4- Quais eram os nomes da mulher de Saul e do chefe de seu exército?

Sesã e Hur.
Azuba e Etnã.
Ainoã e Abner.


5- Qual o povo que Saul não quis destruir, ordenando-lhes que saísse do meio dos amalequitas quando estava para atacá-los?

Os hebronitas.
Os queneus.
Os gibeonitas.


6- Qual o nome do rei dos amalequitas que Saul resolveu poupar, apesar de que Deus ordenara que não o deixasse vivo?

Amaleque.
Jabim.
Adoni-Bezeque.


7- Qual era a cor do cabelo de Davi, sucessor de Saul no reinado em Israel?

Louro.
Ruivo.
Negro.


8- O que fez Saul para livrar-se de um espírito maligno vindo da parte do Senhor, que o atormentava?

Mandou buscar Samuel para que apresentasse um holocausto ao Senhor.
Mandou chamar uma mulher de En-Dor que era necromante.
Mandou buscar um tocador de harpa.


9- As mulheres de Israel, cantando e tocando instrumentos, louvavam os feitos de Saul e de Davi nas batalhas contra os filisteus. Diziam que Saul ferira milhares. Quantos diziam que Davi ferira?

Dez milhares.
Cinquenta milhares.
Cem milhares.


10- Como Saul tentou matar Davi quando este tocava harpa em sua presença?

Arremessando-lhe uma flecha.
Atravessando-o com sua espada.
Encravando-o na parede com uma lança.

Palavras Cruzadas Evangélicas 173

Caça Palavras Bíblico 173